domingo, 14 de dezembro de 2008

Lei de Murphy

Para não dizer que só coloco coisas sem noção aqui (não que não seja legal ^^), vou postar algo sobre a Lei de Murphy, bem conhecida de muitas pessoas...


Conhecida também como Lei de Sod, na Inglaterra, essa expressão diz que tudo que pode dar errado vai dar errado. Não é devido a algum poder misterioso que a lei tenha. Na verdade, somos nós que damos importância à Lei de Murphy. Quando tudo dá certo, nem pensamos nisso. Afinal, esperamos que as coisas funcionem a nosso favor. Mas quando algo dá errado, procuramos razões.

A Lei de Murphy tira vantagem da nossa tendência de enfatizar o negativo e não perceber o que é positivo. Ela se baseia nas leis da probabilidade - a possibilidade matemática de que algo vai acontecer.

O nome tem origen no capitão Edward A. Murphy Jr engenheiro da Força Aérea Americana, que viveu nos EUA até sua morte em 1990.

Reza a Lenda que em um experimento para determinar quantos Gs um ser humano poderia suportar, utilizando um trenó-foguete e uma cobaia humana, o capitão Murphy levou um conjunto de sensores que poderiam ser presos às cintas que prendiam a cobaia, o físico Stapp, ao trenó-foguete. Os sensores mediriam a quantidade exata de força G aplicada quando o trenó-foguete fazia a parada súbita, tornando os dados mais confiáveis.

Mas, no primeiro teste, depois que Murphy prendeu seus sensores nas cintas, eles produziram uma leitura igual a zero, pois todos os sensores haviam sido conectados de forma incorreta. Para cada sensor, havia duas maneiras de fazer a conexão e cada um deles foi instalado de maneira incorreta.
Quando Murphy descobriu o erro, resmungou alguma coisa sobre o técnico. Algo como "se há duas formas de fazer alguma coisa e uma delas vai resultar em um desastre, é assim que ele vai fazer".

Depois do experimento, Murphy retornou a sua base, mas Stapp, conhecido por seu senso de humor e perspicácia, reconheceu a universalidade do que Murphy havia dito e em uma coletiva de imprensa disse que a segurança da equipe do trenó foguete deveu-se à Lei de Murphy. Ele disse à imprensa que a Lei significava que "Tudo que pode dar errado dá errado".
Bastou isso para a Lei de Murphy cair na cultura popular.

Pensando fisicamente, a Lei de Murphy é sustentada por uma lei natural aceita: a entropia. Essa lei é usada com mais freqüência no estudo da termodinâmica - a maneira como a energia muda de uma forma para outra - e diz que, no universo, os sistemas tendem a acabar em desordem e confusão. A entropia, também conhecida como a segunda lei da termodinâmica, sustenta a afirmação da Lei de Murphy que diz que o que pode dar errado vai dar errado.

Mas, enquanto a maioria de nós gosta da Lei de Murphy pela capacidade de explicar nosso senso de impotência em certos casos, outros enxergam a lei como uma ferramenta. Pelo menos uma pessoa a vê como uma equação matemática que pode prever as chances de processos darem errado. Joel Pel, engenheiro biológico da University of British Columbian, criou uma fórmula para prever a ocorrência da Lei de Murphy.

A equação de Pel é:


Pm = -Km (e (-I*C*U+F)/Fm -1)


A fórmula usa uma constante igual a um, um fator inconstante e algumas variáveis. Nesta fórmula, Pel usa a importância do evento (I), a complexidade do sistema envolvido (C), a urgência da necessidade de o sistema funcionar (U) e a frequência com que o sistema é usado (F).
Em um ensaio escrito para a revista Science Creative Quarterly, Pel usa o exemplo de prever a ocorrência da Lei de Murphy quando um motorista precisa dirigir seu Toyota Tercel em um trajeto de aproximadamente 100 km até sua casa debaixo de uma tempestade sem que a embreagem quebre. Usando a Equação de Murphy, Pel chegou a uma resposta igual a 1, o que significa que a embreagem do Tercel com certeza vai quebrar em uma tempestade. Apesar de todos que conhecem um Tercel esperarem que isso aconteça, é um certo consolo saber que isso pode ser previsto matematicamente

A Lei de Murphy nos lembra uma verdade muito simples: sistemas falham. Em alguns casos, a falha de um sistema significa que o experimento deve ser repetido. Em outros casos, o resultado de uma falha pode custar muito mais caro.


Bem, só fico triste por ver qual o futuro dos físicos se não derem aula (pobre Stapp, tevo ossos quebrados, vasos sanguineos rompidos... coitadinho)...

e aos que chegaram até aqui e gostaram, fico feliz. Aos que não gostaram, não estou nem ai... hehehe xD

O texto foi retirado quase que na integra do site How Stuff Works (procure assim no google que fica fácil de achar), e foi uma dica da tia Copetti, nossa seguidora (domo, Copetti sensei)

E lembrem-se crianças: O desciclopedia tem um artigo com este assunto que é mais confiavel

ausahsuhaushaush xD

Um comentário:

  1. ha hááá
    postei indiretamente no blog
    que coisa interessante...
    prometo que darei mais sugestões ^^ claro que com os devidos direitos "sugestivos" (pra não dizer autorais)... tá. piadinha sem graça.

    gomen >.<

    ResponderExcluir